osteomielite

Osteomielite Vertebral

O que é a osteomielite vertebral?

Essa condição refere-se a uma infecção óssea, geralmente causada por bactérias, que afeta
as vértebras – os ossos que formam a coluna. Em alguns casos, pode ser resultante de uma
infecção em outra parte do corpo que se espalhou até a coluna através da corrente
sanguínea.
Ela pode ser classificada de acordo com a forma de infecção, sendo hematogênica ou não
hematogênica, e também conforme a duração da doença, podendo ser aguda ou crônica.
A osteomielite aguda normalmente apresenta sintomas por alguns dias ou semanas. Nessa
forma, não há ocorrência de sequestro ósseo, que são fragmentos de osso necrótico
separados do osso saudável.
Já a sua versão crônica é caracterizada por uma infecção de longa duração, que pode durar
meses ou anos. Nesse caso, o sequestro ósseo geralmente está presente.
A osteomielite não hematogênica pode ocorrer quando a infecção se espalha dos tecidos
moles adjacentes e das articulações para o osso, ou quando há uma inoculação direta da
infecção no osso, como resultado de trauma ou como complicação de uma cirurgia na coluna.
A osteomielite hematogênica é causada por microrganismos que atingem o osso através da
corrente sanguínea.

Quais as causas da osteomielite?

A osteomielite pode ser causada por diferentes microrganismos, sendo os mais comuns os
fungos e bactérias. Eles podem chegar ao osso por diferentes vias, como:

• Circulação sanguínea: bactérias, fungos ou vírus que estão presentes em outras
partes do corpo podem se disseminar pela corrente sanguínea e atingir um osso
enfraquecido ou lesionado. Essa é a forma mais comum de osteomielite em crianças
e idosos.
• Infecção próxima: feridas profundas ou cirurgias que infeccionam podem levar à
osteomielite, uma vez que os microrganismos podem se espalhar para um osso
próximo ao local da lesão. Essa é a forma mais comum de osteomielite em adultos
jovens.
• Contaminação direta: a contaminação pode ocorrer se a pessoa sofre uma fratura
exposta ou uma perfuração no osso por um objeto contaminado. Essa forma de
osteomielite é mais rara e pode acontecer em casos de acidentes.
Esta doença pode afetar pessoas de qualquer idade, mas é mais frequente em crianças,
idosos e pacientes com outras doenças que comprometem o sistema imunológico, como
diabetes, HIV ou câncer.

Um estudo realizado no Brasil verificou que os grupos de risco para esta doença são:

• Pessoas do sexo masculino;
• idade entre 30-39 anos
• residentes na região Sudeste tinham elevado índice de mortalidade pela doença.

A osteomielite hematogênica (causada por microrganismos que atingem o osso através da
corrente sanguínea) é mais frequente em crianças, afetando cerca de 1 em cada 5000
menores de 13 anos, sendo mais comum em meninos.
Os ossos longos dos membros inferiores são os mais afetados, com destaque para o fêmur,
seguido pela tíbia e úmero.
Adultos que sofrem com osteomielite hematogênica, são geralmente acometidos pela
osteomielite vertebral, surgindo a partir de trauma ou cirurgia relacionada nesta região, por
isso sendo mais comum nessa faixa etária.
Os fatores de risco para osteomielite não hematogênica incluem feridas de tecidos moles de
difícil cicatrização (incluindo úlceras de decúbito), presença de hardware ortopédico,
diabetes, doença vascular periférica e neuropatia periférica.

Quais são os principais sintomas desta doença?

Os sintomas podem variar de acordo com o tipo, a localização e a gravidade da infecção. Os
mais comuns são:

• Dor no osso afetado, que pode ser constante ou piorar com o movimento.
• Inchaço, vermelhidão e calor na região infectada.
• Febre alta (acima de 38ºC), calafrios e sudorese.
• Náuseas, vômitos e perda de apetite.
• Irritabilidade ou letargia (principalmente em crianças pequenas).
• Abscesso ou fístula na pele, que pode drenar pus ou sangue.

Nos casos de osteomielite crônica, os sintomas podem ser mais discretos ou intermitentes,
mas a infecção pode causar danos permanentes ao osso, como necrose, deformidade, ou
fratura.

Como é feito o diagnóstico?

Para um diagnóstico assertivo, é importante contar com uma equipe especializada, com
médicos que possuam conhecimentos atualizados e práticas baseadas nas evidências
científicas mais modernas.
Assim, através de avaliação clínica, do histórico do paciente e de exames laboratoriais e de
imagem é possível chegar a uma conduta individualizada e efetiva no tratamento da
osteomielite.

No geral, os exames mais utilizados para o diagnóstico são:

• Hemograma: pode mostrar alterações como aumento dos leucócitos (glóbulos
brancos) e da velocidade de hemossedimentação (VHS), que indicam um processo
inflamatório ou infeccioso.
• Proteína C reativa (PCR): é um marcador de inflamação que pode estar elevado na
osteomielite.
• Cultura e antibiograma: consiste na coleta e análise de uma amostra do tecido ósseo
infectado, que pode ser obtida por biópsia ou cirurgia. Esse exame permite identificar
o tipo e a sensibilidade do microrganismo causador da infecção, orientando o
tratamento mais adequado.
• Radiografia: pode mostrar alterações no osso, como áreas de descalcificação,
erosão ou destruição. No entanto, essas alterações podem demorar algumas
semanas para aparecer na imagem.
• Tomografia computadorizada: é um exame mais sensível e detalhado que a
radiografia, que pode detectar alterações ósseas mais precocemente e com maior
precisão.
• Ressonância magnética: é o exame mais sensível e específico para o diagnóstico
da osteomielite, que pode mostrar a extensão e a gravidade da infecção, assim como
a presença de abscessos ou fístulas.
• Cintilografia óssea: é um exame que utiliza uma substância radioativa que se
concentra nos ossos e permite visualizar áreas de inflamação ou infecção. É útil para
avaliar a resposta ao tratamento.

Como é feito o tratamento da osteomielite?

O tratamento da osteomielite vertebral geralmente começa com antibióticos, frequentemente
administrados por via intravenosa, para combater a infecção. O uso de antibióticos pode ser
de longa duração, dependendo da gravidade da infecção. Em alguns casos, pode ser
necessária uma cirurgia para remover partes das vértebras que foram danificadas pela
infecção ou para estabilizar a coluna.
Durante o tratamento, acompanhamento regular e exames são essenciais para garantir que
a infecção está sendo efetivamente combatida e para monitorar a resposta do seu corpo ao
tratamento. É importante seguir rigorosamente as orientações médicas para evitar
complicações ou a recorrência da infecção
O tratamento desta patologia dependerá do tipo, da causa e da gravidade da infecção.
O principal objetivo é eliminar o microrganismo responsável pela doença, reduzir a inflamação
e preservar a função óssea.

Para isso, as principais formas de tratamento são:

Antibióticos: são medicamentos que combatem as bactérias causadoras da
osteomielite. A escolha do antibiótico depende do resultado da cultura e do
antibiograma. O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível e mantido por um
período prolongado, que pode variar de quatro a seis semanas na forma aguda e de
seis a doze meses na forma crônica. Os antibióticos podem ser administrados por via
oral ou intravenosa, dependendo da gravidade do caso.
Antifúngicos: são medicamentos que combatem os fungos causadores da
osteomielite. A escolha do antifúngico também depende do resultado da cultura. O
tratamento deve ser mantido por um período prolongado, que pode variar de seis a
doze meses. Os antifúngicos podem ser administrados por via oral ou intravenosa,
dependendo da gravidade do caso.
Cirurgia: pode ser necessária em casos de osteomielite crônica ou complicada,
quando há formação de abscessos, fístulas, necrose ou fratura óssea. A cirurgia
consiste na remoção do tecido ósseo infectado ou morto (desbridamento), na
drenagem dos abscessos ou fístulas e na reconstrução do osso com enxertos ou
próteses. A cirurgia também permite a coleta de material para cultura e antibiograma.

Além disso, o tratamento da osteomielite pode incluir medidas como:
• Repouso e imobilização, individualizados para cada paciente e tipo de osteomielite
• Uso de analgésicos e anti-inflamatórios para aliviar a dor e a inflamação.
• Controle dos fatores de risco, como diabetes, obesidade ou tabagismo.
• Fisioterapia para recuperar a mobilidade e a força muscular.

Qual a importância do tratamento adequado da osteomielite vertebral?

O tratamento inadequado da osteomielite vertebral pode levar a várias complicações sérias,
algumas das quais podem ser permanentes ou até mesmo fatais. Estes são os principais
riscos associados a um tratamento inadequado dessa condição:
• Propagação da Infecção: Sem tratamento adequado, a infecção pode se espalhar
para áreas adjacentes, como discos intervertebrais e tecidos moles circundantes. Isso
pode levar a um quadro mais grave de infecção ou a abscessos.
• Abscesso Epidural: A infecção pode levar à formação de um abscesso epidural, uma
coleção de pus entre a coluna vertebral e a dura-máter (a membrana que cobre a
medula espinhal). Isso pode causar compressão da medula espinhal, resultando em
dor severa, fraqueza ou paralisia.
• Instabilidade Vertebral: A infecção crônica pode enfraquecer as vértebras, levando
a deformidades da coluna ou instabilidade vertebral. Isso pode resultar em dor crônica
e limitação de movimento.
• Danos Neurológicos: Se a infecção progredir sem tratamento, pode haver
compressão da medula espinhal ou das raízes nervosas. Isso pode causar déficits
neurológicos, como dormência, fraqueza ou paralisia em diferentes partes do corpo.
• Sepse: A osteomielite vertebral não tratada pode levar à sepse, uma resposta do
corpo potencialmente fatal à infecção. A sepse pode causar falência de múltiplos
órgãos e choque séptico.
• Cicatrização Óssea Inadequada: Sem tratamento adequado, o processo de
cicatrização óssea pode ser afetado, levando a uma fusão vertebral inadequada ou a
deformidades.
• Recorrência da Infecção: Tratamento inadequado ou incompleto pode levar à
recorrência da infecção, frequentemente mais difícil de tratar devido à resistência aos
antibióticos.
Por essas razões, é fundamental que a osteomielite vertebral seja diagnosticada e tratada
prontamente e de forma adequada, seguindo as recomendações médicas.

Quem devo procurar para diagnosticar e tratar a osteomielite?

A osteomielite é uma doença complexa que, caso não tratada adequadamente pode
ocasionar graves consequências. O primeiro passo é realizar um diagnóstico assertivo e de
forma rápida. Para isso, é importante contar com uma equipe de médicos especializados e
com experiência no tratamento desse tipo de condição.
Aqui no Instituto de Patologia da Coluna você conta com tudo isso em um ambiente
aconchegante, acolhedor e bem estruturado, com equipe multidisciplinar experiente e
capacitada para realização do tratamento.

Receba nossas novidades

Inscreva-se gratuitamente em nossa newsletter.

Ao inscrever-se você está de acordo com as Políticas de Privacidade e Termos de uso.

Acesse nosso canal do Youtube

Acompanhe o IPC no YouTube e descubra um conceito inovador, integrado e de excelência em tratamentos e cirurgias para a coluna.

Você também vai gostar
Entre em contato para agendar sua consulta!